domingo, 23 de março de 2014

FanDubs de Carros e Lucas, um intruso no formigueiro, por Antônio de Castro.

Olá meus queridos e queridas leitores!!!

Estou voltando com os post com as FanDubs feitas por vocês!!! o//

Hoje teremos duas FanDubs feitas pelo leitor Antônio de Castro. Ficaram bem legais.
E vocês o que acham??

Aqui está o Link pra quem quer ver no youtube:
https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=P4VGKAaw0js
https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=hnX8DRoBkX8




Continuem mandado para nós as FanDubs de vocês, seria muito legal compartilhar com os outros amantes da Dublagem!!! :))

Vocês podem mandar o Link da sua FanDub para esse e-mail aqui:

universodadublagem@gmail.com 


Abraços e até a próxima!! o//

quarta-feira, 12 de março de 2014

300, Isso, não é Esparta, Isso é Atenas!!







300, A Ascensão do Império, chegou aos cinemas brasileiros nesse final de semana. O filme conta a história de Temístocles (Sullivan Stapleton), general ateniense que comandou a reduzida frota grega contra a armada persa, comandada por Artemísia (Eva Green). O ele traça um paralelo com o que aconteceu antes e durante os eventos do primeiro 300, e chega ao seu fim pouco depois da derrota de Leônidas. Começa com a rainha espartana, Gorgo (Lena Headey), contando os eventos da primeira Guerra Médica (Gregos vs. Persas), que foi comandada pelo Rei Dario. Ele mostra como a Batalha de Maratona ocorreu, e quais as consequências dela. Depois vemos como Xerxes (Rodrigo Santoro), antes humano, se torna o Deus-Rei. 
As diferenças que temos entre este filme e o seu antecessor são os pesos dos personagens nos dois filmes, que demonstra também a variedade entre as culturas que tinha entre os povos gregos. No primeiro, temos um rei espartano Leônidas (Gerard Butler). Os meninos nascido em Esparta, só têm um propósito: viver para se tornar um dos "super soldados". Já nos é apresentado, então, um estereótipo de personagem: machões, brutamontes, que só sabem lutar e matar. Gerard Butler tem discursos são fortes, estimulantes, que fazem seus soldados vibrarem e se sentirem honrados por morrerem ao seu lado.
No segundo filme, temos Temístocles, que não é rei, mas um grande general ateniense. Atenas, ao contrário de Esparta, era uma cidade de poetas, músicos, agricultores e filósofos. Temístocles comanda não "super" soldados, mas artesãos, ferreiros, poetisas, etc. Ou seja, há outro estereótipo de personagem: homens simples, que vivem tranquilos e mais interessados nas artes do que na guerra. Stapleton não consegue ter o mesmo peso que Butler no filme, além de ser um pouco prejudicado pelo roteiro com discursos vagos. Entretanto, é o suficiente para que os qualificados como não-soldados (o artesão, o poeta e etc) também levantem suas lanças e vibrem para defender seu "país", já que naquela época não existia uma Grécia unificada.          
Eva Green, apesar de ser a antagonista da história, é a grande estrela do filme e consegue roubar a cena toda vez que aparece. Só com o olhar, ela consegue demonstrar o ódio que tem aos gregos, e que, pra mim, é o suficiente para temê-la. Sua personalidade forte é capaz até de confrontar o próprio Xerxes. Não tem medo de nada, e mostra que não tolera incompetência. Por fim, temos Rodrigo Santoro, que aparece mais vezes do que no filme anterior, apesar de suas cenas não serem tão grandiosas.    
Acredito que as batalhas desse filme são o principal motivo pelo qual as pessoas vão assisti-lo. São, do começo ao fim, cobertas de sangue totalmente digital, assim como no primeiro filme, o que não compromete a "beleza" das cenas. Há efeitos de sangue "saltando" na lente; braços, pernas e cabeças decepados e a conhecida câmera lenta em cenas de luta com golpes bem trabalhados. Com certeza você não irá se decepcionar. xD
Outra diferença entre os dois filmes é a fotografia, que, no primeiro, era toda trabalhada no amarelo, uma cor quente que remetia ao local onde eles estavam lutando: as Termópilas, conhecidas como "os portões quentes". Já no segundo filme, a fotografia é voltada para o azul, uma cor fria e que remete ao mar, já que as batalhas que acontecem são nesse ambiente.
Resumindo, se você achar que o filme não é tão brutal quanto o primeiro, ou não tiver tantas frases de efeito inspiradoras, lembrem-se, o primeiro quem lutou foram espartanos, volto a repetir, homens que nasceram para matar. E o segundo, quem lutou foram de maioria ateniense,  ou seja, os comuns.

O filme foi dublado na Delart Estúdios, com a direção de Andrea Murucci e tradução de Mário Menezes. A direção da Andrea foi sensacional. Ela soube conduzir com maestria todos os dubladores, principalmente o protagonista e a antagonista do filme, feitos por Marcelo Garcia e Fernanda Baronne, respectivamente.
O que dizer da dubladora Fernanda interpretando Eva Green? Conseguiu passar todo o ódio que a personagem de Green tinha: desde os sussurros até as falas mais gritantes. Algumas vezes nem consegui associar aquela voz à Fernanda, por estar tão diferente da sua voz natural. Isso sim foi um belo trabalho de direção por parte da Andrea e uma grande interpretação por parte da Fernanda. Marcelo Garcia, que tem uma voz um pouco mais "branda", também fez uma voz diferente do que estamos acostumados a ouvir. É claro que o personagem pedia isso e ele conseguiu fazer de uma forma que não ficasse falso, e da mesma forma que aconteceu com a Fernanda, às vezes esquecia que era ele quem dublava de tão diferente que sua voz estava. Por último, mas não menos importante, tem a participação da Andrea, dublando a rainha Gorgo narrando o filme, e entre uma cena e outra fazendo sua participação. Nas cenas finais, demonstrou todo o ressentimento que a rainha tinha guardado depois da morte do marido. No mais, o resto do elenco foi muito bem escolhido, como todas as vozes, casando direitinho com cada personagem. Gostaria de parabenizar a todos pelo excelente trabalho!!!

Deixe seu comentário e diga o que você achou do filme e se você concorda ou não com o que eu disse!! o//




300: A Ascensão do Império - Warner Bros

Tradução: 
Mário Menezes
Direção de dublagem: Andrea Murucci
Técnicos de gravação: Léo Santos e Rodrigo Oliveira 
Edição: Henrique Caldas
Mixagem: Gustavo Andriewiski 

Xerxes: Rodrigo Santoro 
Temístocles: Marcelo Garcia
Artemísia: Fernanda Baronne 
Gorgo: Andrea Murucci 
Scyllias: Márcio Simões 
Ésquilo: Nando Lopes 
Calisto: Rodrigo Antas 
Ephialtes: Paulo Bernardo 
Dilios: Hercules Franco
Artaphernes: Reginaldo Primo 
Kashani: Luiz Carlos Persy 
Dario: Sérgio Fortuna 
Bandari: Bruno Rocha

Créditos de Dublagem: Delart Estúdios Cinematográficos